Em Roma, faça como os romanos

Há um provérbio muito antigo que diz: “Em Roma, faça como os romanos”. Sempre ouvi isso, pois minha mãe é adepta de provérbios. Nas mais diversas situações, sempre lançava mão de um. Passei a infância, desvendando-os. Tomando a sabedoria deste, em particular, aprende-se que é o mesmo teor de “dançar conforme a música”, ou seja,  comportar-se segundo a cultura local ou as circunstâncias exigem. Quem é um bom leitor de mundo, sabe o que isso significa. Estar de acordo com o status quo muitas vezes pode nos beneficiar, ou, simplesmente, evitar uma saia justa e um perigo.

Quando se sabe interpretar bem os códigos, estes auxiliam a não se sentir um peixe fora d’água. A roupa que se veste também é um código. Inevitavelmente, assim como a linguagem, que é utilizada de acordo com as mais diversas situações de comunicação, o vestuário também passa pelo caminho da adequação. Ana Paula Padrão alerta sobre isso em seu livro “O amor chegou tarde em minha vida”. A jornalista reserva parte do segundo capítulo para apontar como a roupa inadequada pode fechar portas profissionais ou criar situações embaraçosas.

Há algum tempo tenho reparado como as pessoas têm se vestido inadequadamente para ir à igreja. Não estão obedecendo ao “código” que o espaço requer. Cito não apenas as mulheres, no entanto, o foco do texto não são os homens. Talvez por falta de orientação, ou por descuido, algumas mulheres não têm se vestido apropriadamente ao frequentar o ambiente sagrado. Acredito que as feministas de plantão devem discordar de mim. Já ouvi pessoas dizerem que não é na roupa que residem boas ou más intenções, e sim no coração.  Eu concordo. É possível uma pessoa vestida com recato estar numa vida de pecado, enquanto outra mais displicente no vestir ter um uma vida reta.

De fato, Deus vê o interior, conhece o coração, as intenções. Pe. Fábio de Melo traduziu muito bem isso numa canção, intitulada Humano Demais, que diz: “Tu enxergas o profundo. Eu insisto em ver a margem. Quando vês o coração, eu vejo a imagem.” Deus é misericordioso, sem dúvida, porém, nós, nem tanto. É importante lembrar que o texto trata de código, de adequação. Não falo de malícia, falo de descuido. Hoje, percebem-se roupas extremamente inadequadas: short, blusas transparentes, decotes acentuados, peças muito curtas, muito justas. É preciso haver mais zelo.

Infelizmente ouvem-se comentários como: “Por isso que as pessoas mudam de Igreja.” “A sociedade mudou, a Igreja tem que acompanhar.” Eu me pergunto: se respeitam regras em ambientes profissionais e culturais, por que quando se trata de templo religioso, muitos torcem o nariz?

Tive a graça de visitar Roma duas vezes, incluindo o Vaticano, é claro! Quem lá já esteve sabe que nas igrejas há uma preocupação com o comprimento da saia, da bermuda, bem como do decote, e blusas sem mangas não são permitidas. O segurança bloqueia a entrada das pessoas vestidas inadequadamente. Há lugares que oferecem tecidos simples como xales e saias improvisadas para que os turistas coloquem sobre a roupa, a fim de não irem embora sem visitar o templo.

renata resende roma .jpegEm Roma, faça como os romanos. Na Rússia, faça como as russas. Em 2012 visitei uma amiga que estava morando em Moscou. A Igreja Católica Ortodoxa Russa é bem tradicional e, obviamente, tem seus próprios “códigos”, sobre os quais minha amiga logo me alertou. Ao visitar as catedrais mais frequentadas, ela me sugeriu cobrir a cabeça com um lenço, como as mulheres lá o fazem, em respeito à cultura religiosa local. Mesmo sendo turista, encarei com naturalidade. Dentro do templo, vi turistas de cabeça descoberta. Não foram colocadas para fora, nem desrespeitadas. Eu, todavia, senti-me bem de poder desfrutar do mesmo código que as russas.

É preciso ter em mente que há a intencionalidade do ambiente, o código implícito que paira no ar. É questão de respeito não só a Deus, mas ao rito, aos sacerdotes, às outras pessoas. A verdadeira religiosidade envolve esses valores também.

Renata_saraivaRenata Saraiva

Brasiliense, casada, com formação em Língua Portuguesa e Literatura. Comunicativa, curiosa, adora viajar. Amante da arte e da fotografia, mas a maior paixão: os livros. Católica, seguidora de Jesus Cristo, acredita que um mundo melhor e mais justo é possível.

Muitas Marias apresenta artigos originais sobre o cotidiano feminino. Saiba como enviar seu texto clicando aqui ou escreva para  contato@muitasmarias.com . 

5 comentários sobre “Em Roma, faça como os romanos

  1. Eu simplesmente adoro as particularidades do nosso idioma nativo: Portugues!
    Espero que não se zanguem mas vou postar aqui alguns proverbios que eu gosto. Em ordem alfabética. Abraços!

    A união faz a força.
    A ocasião faz o ladrão.
    As aparências enganam.
    A mentira tem pernas curtas.
    A esperança é a última que morre.
    A corda sempre arrebenta do lado mais fraco.
    Antes morrer de azia do que de barriga vazia.
    Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
    As coisas boas da vida, ou são pecado ou engordam.
    Antes um cachorro amigo que um amigo cachorro.
    As mais belas flores também murcham.
    Amigos de todos, amigo de ninguém.
    Águas passadas não movem moinho.
    Amigos, amigos; negócios à parte.
    Avô rico, filho nobre e neto pobre.
    A pressa é inimiga da perfeição.
    Antes tarde do que nunca.

    B

    Boi solto lambe-se todo.
    Barcos virão, novas trarão.
    Barriga inchada não é fartura.
    Burro velho não perde a mania.
    Boi sonso é que arromba o curral.
    Burro carregado de livro é doutor.
    Boi de guia é que bebe água limpa.
    Boa é a demora, que torna o caminho seguro.

    C

    Cão que ladra não morde.
    Cada macaco no seu galho.
    Cria fama e deita-te na cama.
    Casa de ferreiro, espeto de pau.
    Cachorro velho não aprende truque novo.
    Cada um sabe onde lhe aperta o sapato.
    Casamento e mortalha no céu se talha.
    Com vinagre não se apanha mosquitos.
    Cavalo dado não se olha os dentes.
    Camarão que dorme a onda leva.
    Comer e coçar, é só começar.

    D

    Devagar se vai ao longe.
    Desgraça pouca é bobagem.
    Deus ajuda a quem cedo madruga.
    Deus dá o frio conforme o cobertor.
    De noite todos os gatos são pardos.
    De tostão em tostão vai-se ao milhão.
    Depois da tempestade vem a bonança.
    De grão em grão a galinha enche o papo.
    Débito é assim mesmo: ou você liquida com ele ou ele liquida com você.
    De poeta, médico e louco, cada um tem um pouco.
    Diga-me com quem andas que eu direi quem és.
    Devagar com o andor que o santo é de barro.
    Deus dá a farinha e o diabo fura o saco.
    De boas intenções o inferno está cheio.
    De pequenino é que se torce o pepino.
    Deus escreve certo por linhas tortas.

    E

    Em boca fechada não entra mosca.
    Em tempo de guerra, urubu é frango.
    Em terra de cego quem tem um olho é rei.
    Em rio que tem piranha, jacaré nada de costas.
    Em briga de marido e mulher não se mete a colher.
    É mais fácil um camelo entrar num buraco de agulha, que um rico entrar no reino do céu.
    Existem pessoas que nascem sorrindo, vivem fingindo e morrem mentindo.
    Em festa de macaco inhambu-chitã não pia.
    Em tempo de guerra mentira é como terra.
    É de pequeno que se torce o pepino.
    Erva ruim a geada não mata.

    F

    Filho de peixe, peixinho é.
    Falar do mau, apontar o pau.
    Festas acabadas, músicos a pé.
    Feliz como porco depois da festa.
    Filhos criados, trabalhos dobrados.
    Fale bem dos seus amigos, dos inimigos não diga coisa alguma.
    Fidalguia sem comodoria é gaita que não assobia.
    Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.
    Falem mal mas falem de mim.

    G

    Galinha vesga cedo procura o poleiro.
    Gato escaldado tem medo de água fria.
    Goiaba na beira de estrada, ou é verde ou está bichada.
    Galinha velha é que dá bom caldo.

    H

    Hoje por mim, amanhã por ti.
    Há males que vem para o bem.
    Há mais marés que marinheiros.
    Homem prevenido vale por dois.
    Homem pequenino, malandro velhaco ou dançarino.
    Homem com homem, mulher com mulher, faca sem ponta, galinha sem pé.

    I

    Irmão de barqueiro não paga passagem.

    J

    Junto da ortiga, nasce a rosa.
    Jogo e bebida, casa perdida.
    Jacaré parado vira bolsa.

    L

    Longe dos olhos, longe do coração.
    Lua nova trovejada, trinta dias de molhada.
    Ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão.
    Laranja na beira de estrada ou é azeda ou tem marimbondo no pé.

    M

    Mal com ele pior sem ele.
    Macaco que muito meche quer cumbo.
    Mato tem olhos, paredes tem ouvidos.
    Mulher e cachaça em toda parte se acha.
    Macaco velho não põe a mão em cumbuca.
    Mais vale amigo na praça que dinheiro na caixa.
    Mais vale um pássaro na mão, que dois voando.
    Melhor perder um minuto da vida que a vida em um minuto.
    Mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo.
    Mal por mal, antes na capela do que no hospital.
    Manda quem pode, obedece quem tem juízo.
    Mais vale só do que mal acompanhado.
    Misturar alhos com bugalhos.
    Mãos frias coração quente.
    Muito riso pouco sizo.

    N

    Nuvem baixa, sol que racha.
    Não se deve dar pérolas aos porcos.
    Não é com vinagre que se apanha moscas.
    Não há nada como um dia depois do outro.
    Não há mal que perdure, não há dor que não se cure.
    Não há carne sem osso. Não há nada que não tenha suas dificuldades.
    Não faça aos outros o que não queres que te façam.
    Nem tudo que reluz é ouro.

    O

    Onde há fumaça, há fogo.
    O hábito não faz o monge.
    Os últimos serão os primeiros.
    Olho por olho, dente por dente.
    Os maiores venenos estão nos menores frascos.
    Os melhores perfumes estão nos menores frascos.
    O homem é fogo, a mulher estopa, o diabo assopra.
    O sábio não diz o que sabe, o tolo não sabe o que diz.
    O tempo cicatriza as feridas do corpo e da alma.
    O que os olhos não vêem, o coração não sente.
    O olho do dono é que engorda o cavalo.
    Onde não entra o sol, entra o médico.
    O pior surdo é o que não quer ouvir.
    O pior cego é o que não quer ver.
    O homem prevenido vale por dois.
    O que o berço dá, só a cova tira.
    O que não mata, engorda.
    O bom filho à casa torna.
    O sol nasce para todos.
    O prometido é devido.
    O barato sai caro.

    P

    Pela boca morre o peixe.
    Pra baixo todo santo ajuda.
    Pau que nasce torto morre torto.
    Panela velha é que faz boa comida.
    Por fora bela viola, por dentro pão bolorento.
    Pretensão e água benta cada um tem quanto quer.
    Passarinho que anda com morcego acaba dormindo de ponta cabeça.
    Passarinho que come pedra bem sabe o c* que tem.
    Panela que muitos mexem, não toma tempero.
    Papagaio come milho, periquito leva a fama.
    Para bom entendedor meia palavra basta.
    Praga de urubu não mata cavalo gordo.
    Pimenta nos olhos dos outros não dói.
    Passado três, um gato vira tigre.
    Pai rico, filho nobre, neto pobre.
    Pra quem é, bacalhau basta.
    Pedra que rola não cria limo.
    Pior a emenda que o soneto.
    Pra burro velho, capim novo.

    Q

    Quem procura acha.
    Quem cala consente.
    Quem não chora não mama.
    Quem tem boca vai a Roma.
    Quem tudo quer tudo perde.
    Quem vê cara não vê coração.
    Quem canta seus males espanta.
    Quem não tem cão caça com gato.
    Quanto maior a altura maior o tombo.
    Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
    Quem nunca comeu melado, quando come se lambuza.
    Quem tem telhado de vidro não joga pedras no vizinho.
    Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte é tolo ou não tem arte.
    Quem casa um filho perde o filho; quem casa uma filha ganha um filho.
    Quanto maior é o coqueiro maior o tombo do côco.
    Quando a esmola é grande até o santo desconfia.
    Quando a razão fala presta atenção no que diz.
    Quando um burro fala o outro abaixa a orelha.
    Quem vive na ignorancia, aporta na escuridão.
    Quem casa quer casa, longe da casa onde casa.
    Quem nasceu pra dez réis não chega a vintém.
    Quando a cabeça não pensa o corpo padece.
    Quem diz o que quer ouve o que não quer.
    Quem tem padrinho rico não morre pagão.
    Quem fica até o fim da festa não presta.
    Quanto mais se abaixa, mais se ve o c*.
    Quem morre de véspera é peru de natal.
    Quem meu filho beija minha boca adoça.
    Quem dorme com criança acorda molhado.
    Quem não se enfeita por si se enjeita.
    Quem conta um conto aumenta um ponto.
    Quem ama a rosa suporta os espinhos.
    Quem dá aos pobres empresta a Deus.
    Quem semeia vento colhe tempestade.
    Quem foi pra Portugal perdeu lugar.
    Quem o feio ama, bonito lhe parece.
    Quem quer vai, quem não quer manda.
    Quem está na chuva é pra se molhar.
    Quem pode manda, quem não pode faz.
    Quando um não quer dois não brigam.
    Quem sai aos seus não degenera.
    Quem não arrisca não petisca.
    Quem não ajuda não atrapalha.
    Quem ri por último ri melhor.
    Quem espera sempre alcança.
    Quem é vivo sempre aparece.
    Quem desdenha quer comprar.
    Quem é bom já nasce feito.
    Quem tem pressa come cru.
    Quem não deve não teme.
    Quem tem c* tem medo.
    Quem avisa amigo é.

    R

    Recordar é viver.
    Rei morto, rei posto.
    Rir é o melhor remédio.
    Rei tem que ter coroa.
    Ri melhor quem ri por último.
    Roupa suja se lava em casa.
    Rapadura é doce, mas não é mole não.
    Religião, Futebol e Política não se discute.

    S

    Sapo de fora não chia.
    Se conselho fosse bom mesmo, ninguém dava de graça.
    Se Maomé não vai até a montanha, a montanha vai até Maomé.
    Se os “ses” fossem feijões ninguém morria de fome.
    Sempre existe um chinelo velho para um pé torto.
    Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
    Sempre se espera pela pior figura.
    Sentir-se como peixe fora d’água.
    Sol e chuva casamento de viúva.
    Santo de casa não faz milagre.
    Ser mãe é padecer no paraíso.
    Saco vazio não pára em pé.

    T

    Tal pai, tal filho.
    Touro em pasto alheio é vaca.
    Traste que não parece com o dono é furtado.
    Trigo e gratidão só crescem em boa terrra e em boa alma.

    U

    Uma mão lava a outra.
    Uma andorinha só, não faz verão.
    Um dia é da caça o outro do caçador.
    Um é pouco, dois é bom, três é demais.
    Um burro carregado de livros não é doutor.
    Um gambá cheira o outro.

    V

    Vaso ruim não quebra.
    Vamos em frente que atrás vem gente.
    Vão-se os anéis e ficam-se os dedos.
    Vassoura nova é que varre bem.

    Z

    Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades.
    Zebra sem lista é cavalo.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Concordo plenamente! Que bom que tem pessoas que pensam como eu! Existe um decoro de se vestir para ir a igreja que infelizmente está sendo deixado de lado! É uma pena, mas isto muito é passado de pais para filhos! Isto não vem acontecendo esses últimos anos! A igreja é um local de respeito e oração! Devemos sempre lembrar disto!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada, Grazzielle, por seu comentário. Cabe a nós, então, na medida do possível, semearmos. Fazemos a nossa parte, a nossa gotinha! Fico feliz que tenha gostado do texto e pense como eu! Beijos

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s