Honduras, por que não?

Honduras foi uma dessas gratas surpresas que a vida nos reserva! Até então minha única referência sobre o país era a de ser localizado na América Central e ter uma capital chamada Tegucigalpa (ahhh já fui a fera do stop, quem jogava?). A bordo de um navio cruzeiro, consultei os destinos que desceríamos naquela semana e todos falavam muito sobre Aruba e Curaçao, mas ninguém fazia questão de descer em Roatan, Honduras.

Então foi assim, com zero de expectativas que tive um dos dias mais bacanas e divertidos dos meus quatro anos a bordo.

A intenção era apenas relaxar sob o sol se tivesse alguma prainha dando sopa ali por perto. Encontrei um grupo de amigos no café da manhã e saímos todos juntos rumo à uma desconhecida praia chamada Tabyana Beach. As reações foram das mais engraçadas. Uns gritaram de alegria, outros ficaram pulando e batendo palmas, e eu fiquei ali sem saber o que fazer, de frente para uma das praias mais lindas e desertas que havia visto até então. Alguém me explica como pode ter gente que ainda não acredita em Deus? Que cenário era aquele! Nem nos meus melhores sonhos me imaginei naquele mar turquesa, cercada de bons amigos, peixinhos coloridos, recifes e areia branca, num lugar absolutamente intocado.

praia

O clima era de festa e o dia passou voando. Havia uma espécie de tirolesa, feita com um pneu adaptado. Você subia por uma cordinha (ou pelo menos tentava subir após as váriassss cervejas locais de nome “Salva Vida”…), se pendurava no pneu, deslizava até o meio do mar e pahhh, caía com tudo na água. 

Depois de muitos hematomas, decidimos almoçar. O cardápio? Arroz, feijão, salada e peixe fresco. Se vocês já ficaram muito tempo fora do Brasil, saberão o prazer que é encontrar arroz e feijão lá fora. Éramos uns 10, mas parecia que havia 50 de nós, tamanho o barulho que fazíamos.

Para um leitor desavisado, até aí nada demais, certo? Errado! Apesar de o dia ter sido muito simples (nada de monumentos majestosos, obras faraônicas, lojinhas com barganhas, etc), nunca consegui esquecê-lo, o que me faz questionar o verdadeiro sentido da felicidade. O que é ser feliz para você? Se paro para pensar nos meus momentos mais felizes, a maioria deles inclui pessoas queridas, muitas risadas e paz de espírito. Ou seja, Honduras cumpriu lindamente o seu papel, ao nos brindar com um dia dos mais agradáveis! O sentimento ali era de pura gratidão, felizes por estarmos vivos e em perfeita comunhão com a natureza.

Mais tarde viemos a saber que Roatan é a maior e mais desenvolvida das ilhas do arquipélago de ‘Bay Islands’. As ilhas são circundadas por uma enorme barreira de corais (uma das maiores do mundo, comparada à Barreira Australiana). Mergulhar aqui é desfrutar de uma biodiversidade marinha incrível! A ilha oferece ainda possibilidade de mergulhar nos pontos de naufrágio, Áquila e Odyssey, nadar com golfinhos, visitar uma fazenda de iguanas, passear em um jardim botânico (Carambola Gardens) ou andar a cavalo à beira mar.

mergulho

Honduras significa “profundezas” e faz referência às águas profundas no litoral sul do país. Mas nem só de belas praias vive o país. Um local bastante visitado é o complexo de Ruínas de Copan que fica próximo à fronteira com a Guatemala. Declarada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, é um dos sítios arqueológicos mais importantes da Civilização Maia e rivaliza em importância com Chichen Itza, no México.

Vim aqui falar sobre Honduras, exatamente pra levantar uma bandeira, a do turismo descomplicado! Sim, eu adoro viagens elaboradas e confortáveis, mas em tempos de dólar custando os olhos da cara, também curto muito achar lugares lindos que não depenem meu bolso, oras.

Pra viagem ser bacana, basta que NÓS estejamos prontos! Vale a pena ousar, se arriscar…se der certo, maravilha! Se não der, aprendizado e histórias para contar! Então, minha dica é sair um pouco do turismo tradicional e explorar novos destinos, novas possibilidades. Garanto que terão outras perspectivas desse mundo tão vasto e diverso… A vida taí para ser vivida, então para que ser reservatório se podemos ser rio?

Dando continuidade em nossa sequência de destinos, já aviso de antemão que vocês terão uma surpresa com a letra I, me aguardem…

Tassi BiografiaTassiana Rossignoli
Mineira, casada, jornalista. Apaixonada pela família, pelos amigos, por viagens, livros, fotografia, músicas, filmes e pipoca. Adoraria fazer um curso de gastronomia. Sonha em ser mãe e ter uma casa na praia. Frase favorita: “Muitos pensam que sou rico. Outros pensam o contrário. O que ninguém sabe é que minha riqueza é medida em histórias, em experiências e pessoas. Sim, Então sou rico.”- Fergal

Muitas Marias apresenta artigos originais sobre o cotidiano feminino. Saiba como enviar seu texto clicando aqui ou escreva para  contato@muitasmarias.com . 

2 comentários sobre “Honduras, por que não?

  1. A gente realmente tem um vasto mundo pra conhecer, né?
    Nunca teria coragem de fazer essa atividade com o pneu ( medo), mas essa vista, oh – la – la.
    Se abusar, deve ser mais barato que Fernando de Noronha e o azul da água parece o mesmo .
    Anotado para um futuro , quem sabe.
    bj bj

    Curtir

  2. Oi Mary

    Vale muito a pena, a praia é super linda. E concordo que deve ser mais barato que Fernando de Noronha..o que me deixa triste, sabia? Temos lugares lindos aqui no Brasil, não entendo porque são tão caros..
    Ainda mais agora que o dólar está tão alto, eles podiam abaixar os preços aqui dentro e incentivar o turismo nacional..né não?
    Bjo lindona,

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s