A cantineira 

“Mateus, senta bonitinho aí no seu lugar que o ônibus já vai andar” – diz D. Josefina.

“Bernardo, para de cutucar a Luana” esbraveja ela. E assim vão os 30 km até a escola rural.

Desce um, desce outro … e ela percebe que um dos  gêmeos não veio hoje.

“João, onde tá seu irmão?” . Os olhos da cantineira vão às lágrimas quando o menino franzino, de roupa rala e sapato gasto relata que a panela com gordura quente teria virado no braço de Pedro. ” Num preocupa não que minha vó tá cuidando dele”. Como  o pai estava preso e a mãe morava em outra cidade com o marido e outros quatro filhos, os irmãos eram criados pela avó materna.

Mexe o arroz, tempera o frango, corta o tomate… e o pensamento dividido entre a queimadura do menino e o remédio caro que a aluna com intolerância à proteína precisava comprar.

Enquanto varria a sala, a inquietude agora vinha dos três filhos que moravam fora: o dinheiro que precisava para a parcela do cursinho de uma, a malandragem do caçula, que não fazia o dever de casa e estava tirando notas baixas e a do meio, que estava morando com a madrinha em BH, esse ano, para estudar num colégio melhor. Provavelmente, o salário mínimo não seria suficiente para pagar as duas mensalidades, já que o ordenado do marido era todo para pagar a construção da casinha deles e ajudar a manter o comércio: uma lanchonete que funcionava nos fins de semana e sofria com as vendas à prazo.

No portão da saída, ela orienta:

“Olha, o Marcos não pode comer salgadinho e refrigerante na hora do recreio. Não faz bem. Vou ajudar ele a gostar do lanche da escola. Eu cuido. Pode deixar”. E foram incansáveis semanas de briga até extinguir os lanches não saudáveis. Fazia a dança das maças, com três ou quatro, a alface voava para animar mais uns cinco e assim foi a conquista das frutas e verduras.

Com a proximidade do aniversário de Amanda era difícil para D. Josefina, que não era nutricionista e tinha pouco estudo, pensar quais alimentos continham proteína para evitar na festa. Ela ficou chocada ao descobrir que brigadeiro e bolo não poderia fazer, não com os ingredientes convencionais. Mas não poderia decepcionar a menina que era tão criança para entender as restrições a que estaria sujeita. Lá foi ela pesquisar: falou com um, perguntou para outro, ligou para a prima da sobrinha da professora da sala 3… até que conseguiu descobrir todos os componentes que precisaria para fazer uma comemoração aparentemente normal. Foi um sucesso. A mãe não sabia como agradecer pela felicidade da filha.

“Mãe, me preocupo com você todo dia na estrada. Pede para ficar na escola da cidade” – diz uma das filhas.

“Não posso. As crianças precisam de mim. Quem vai olhar por elas?” – confidencia.

Entre um cliente e outro na casa de lanches, ela corre igreja para ver se ainda pega o final da missa do domingo. Chega na consagração de N. S. Aparecida e é bem nas mãos dela que entrega todos os seus: o marido, os filhos e as crianças da escola.

 

yaraYhara Oliveira 

Mãe, bancária, jornalista, casada, gosta de slackline, São Paulo, artes, vinhos e mesa farta com pessoas queridas. Sonha em conhecer muitos povos e culturas diferentes. 

 

Muitas Marias apresenta artigos originais sobre o cotidiano feminino. Saiba como enviar seu texto clicando aqui ou escreva para muitasmariasblog@gmail.com . 

Um comentário sobre “A cantineira 

  1. Que texto lindo!
    Começar o dia com o coração já quentinho é tão gostoso!
    Achei esse texto de uma sensibilidade sem tamanho, aliás como eu gosto dos textos daqui! Sempre me fazem refletir!
    Um beijo grande!

    Curtir

Deixe uma resposta para Tassiana Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s